City Blog

Dicas e Cuidados

Protetor solar para bebê: saiba como usar da forma certa

No artigo de hoje vamos trazer um alerta para todos os pais: quais os cuidados são necessários na hora de comprar e usar o protetor solar para bebê. Aliás, será que existe um protetor específico para os bebês?

E sabe por que esse conteúdo vai ser importante para você?

Porque recentemente teve uma história de um bebê de três meses que ficou internado devido a uma reação alérgica muito grave depois do uso do protetor solar infantil.

A imagem que foi vista em telejornais e na internet chocou o mundo todo: um bebê com a pele toda vermelha…

E a mãe afirma veemente que a culpa era do uso do protetor solar.

Depois disso, a polêmica foi instalada em todo país: será que os pais sabem como proteger os seus bebês dos raios solares da forma certa?

Para entender tudo isso de maneira bem simples, vamos começar pelos pontos mais importantes e, aos poucos, você vai conseguir chegar a conclusão desse tema.

Protetor solar para bebês: com qual idade começar a usar?

Claro que sim.

Os bebês devem tomar um pouquinho de sol todos os dias, recomendam os pediatras.

E esse tempo é de, no máximo, 15 minutos.

É o famoso “banho de sol”, que deve ser realizado preferencialmente no começo da manhã.

O recomendável é que isso aconteça antes das 9 horas da manhã.

Mas, quando isso não é possível, também é indicado que a atividade acontece no final da tarde depois das 17 horas, quando o sol está se pondo.

Esses horários são bons para a saúde do bebê.

Porque fazem com que os bebês produzem vitamina D.

Essa vitamina, por sua vez, é importante para o crescimento dos bebês.

Bom, então, tomar sol é importante para os bebês…

Mas, com qual a idade eles devem começar a usar o protetor solar?

Acredite: se você seguir as orientações acima [15 minutos de sol nos horários indicados] você não vai precisar usar o protetor solar para bebês.

Mesmo porque o uso pode acarretar alergias, como na história que contamos acima.

E nessa fase o bebê ainda não criou anticorpos suficientes e está imune aos produtos químicos usados na composição do produto.

Isso porque a incidência dos raios solares não vai afetar a pele e a saúde deles.

Dessa forma, os pediatras avaliam que após os 6 meses de vida, aí sim, há a indicação dos protetores solares infantis.

A recomendação não é apenas dos pediatras, mas de toda a Sociedade Brasileira de Dermatologia e da também da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Como proteger os bebês sem o protetor solar?

Bom visto que o indicado é usar os protetores solares a partir dos 6 meses, agora resta saber o que fazer quando para protegê-los em outros casos.

Antes temos um número: 80% da exposição solar acumulada durante a vida ocorre antes dos 18 anos. Então, todo cuidado é pouco!

Agora, outro fato importante é que a pele da criança é mais fina e delicada do que a dos jovens e adultos.

E, se antes dos seis meses de idade o ideal é não usar o protetor solar porque a pele do bebê absorve muito mais os produtos químicos, o que fazer quando eles forem expostos ao sol em outros períodos que não os recomendados?

Considerando uma ida à praia, à piscina ou outra área que reflete o sol, podemos pensar em alternativas como aconchegar os bebês em sombras e usar roupas adequadas.

Sim, não é exagero usar bonés e roupas de manga longa na praia. Isso é cuidado!

Agora, se seu filho já tem mais do que seis meses de idade, então, ele já pode usar o protetor solar para bebê.

E qual é esse produto? Aquele que recebe o nome de protetor solar infantil.

Ele é diferente dos tradicionais porque a fórmula usada é feita pensando na pele das crianças.

Os tipos de protetor solar infantil e como usar

Existem três tipos desse produto no mercado: químicos, físicos e mistos.

Obviamente que os mistos acontecem quando tem a mistura dos químicos e dos físicos.

A maioria dos protetores infantis são 100% físicos.

Quando não, são mistos, tendo uma maior quantidade de agente físico.

Ter mais componente físico é bom porque causa menos alergia na pele das crianças.

No caso de crianças com mais de 6 meses, vale a ideia de reaplicar o produto a cada duas ou três horas… E assim que a criança sai da água.

Quanto a quantidade de protetor, não adianta ser uma quantidade muito pequena porque se assim for pode ser que passe alguma quantidade grande de raios solares.

O ideal é quando você perceber que a pele do bebê está mais branquinha – então, isso quer dizer que ele está protegido, mesmo que você não ache esteticamente bonito.

Outra dica extremamente importante é sobre usar o produto em gel ou spray.

Ambos são indicados para as crianças maiores de dois anos.

E também podem ser reaplicados com maior frequência, pois saem com mais facilidade da pele deles.

A falta de cuidado com o uso de protetor solar para bebê

Quando o assunto é cuidado e saúde do bebê, os pais precisam considerar que cada pessoa reage de um jeito – e assim também vai acontecer com o seu filho.

Portanto, o melhor meio de evitar problemas é prevenindo.

Para se ter uma ideia, nem sempre a alergia ao protetor solar acontece com reação cutânea (na pele), mas pode desenvolver complicações pulmonares também, como a asma.

E o mesmo vale para o uso de sabonetes sem ser neutros, desodorantes e perfumes, shampoos, álcoois e todo tipo de fragrância.

Para nunca errar, busque auxílio de um médico pediatra e também de dermatologistas, que vão fornecer as melhores orientações para você.

Ah e se você não seguir essas orientações e o seu bebê tiver reações negativas, o melhor a fazer é lavar bem o local apenas com água fria e nunca com a adição de produtos.

Depois, busque ajuda imediatamente em um pronto atendimento. Lá, possivelmente, o médico vai indicar medicamentos como os antialérgicos e/ou pomadas.